O DESAFIO DE FAZER GESTÃO DE PESSOAS 4.0

09 de maio de 2019

    Novas ferramentas e tecnologias têm nos ajudado na tarefa de fazer gestão de pessoas. Sistemas com inteligência artificial nos ajudam a recrutar os melhores candidatos e já sugestionam  os melhores caminhos frente a  muitos problemas. Processos mais ágeis, intuitivos e colaborativos contribuem para que tenhamos acesso à informação ou possamos fazer algumas tarefas  com mais facilidade. Existem muitas ferramentas que otimizam nossas atividades operacionais e aquelas que ainda não foram automatizadas, possivelmente, em um curto espaço de tempo, serão.

    As novas tecnologias, que estão cada vez mais  presentes nas nossas vidas e facilitam vários de nossos processos, estão chegando na área de gestão de pessoas e vão revolucioná-la em um curto espaço de tempo. A tecnologia vai tornar muitos processos mais ágeis, automatizados, mais simples e intuitivos. Outros elementos que possivelmente logo farão parte dos processos de gestão de pessoas, são os sistemas e processos colaborativos em que os gestores e os colaboradores podem participar e contribuir ativamente. Todas essas mudanças vão nos ajudar a fazer gestão de pessoas,  já que possibilitarão a existência de ferramentas e processos que irão facilitar o  atendimento das demandas do setor. Talvez a tecnologia substitua o tradicional setor de Recursos Humanos que tem um papel  operacional; uma vez que ele tem como função principal instrumentalizar a organização com processos e ferramentas para fazer gestão de pessoas. Um setor de gestão de pessoas operacional, assim como todas os demais setores e funções operacionais, serão reinventados pela tecnologia.

    Ok, essa é a realidade dos fatos e estamos caminhando nesta direção, mas será que realmente não teremos mais pessoas na gestão de pessoas? Fazer gestão de pessoas é muito mais do que estruturar processos e ferramentas. Bons processos e ferramentas facilitam  a  gestão de pessoas e, em grandes empresas, podemos dizer que são imprescindíveis, mas essa é só uma parte. A outra parte são as pessoas, e, pressupõe um olhar mais próximo , sensibilidade, percepção, empatia, flexibilidade e liderança e  as máquinas ainda não possuem essas competências.

    Fazer gestão de pessoas é conseguir avaliar e entender uma pessoa de tal forma que seja possível direcioná-la para que ela desempenhe uma função alinhada com seu perfil e potencial. Trabalhar com o ser humano exige uma sensibilidade para lidar com a falta de padrão de comportamento e do sentimento do homem, a falta de previsibilidade, a distância entre o potencial e a realidade da capacidade de entrega de resultados. Fazer gestão de pessoas é estar perto para identificar as dificuldades e poder direcionar, dar suporte para que a pessoa consiga fazer melhor. É ter sensibilidade para perceber que alguém não está bem e ter o cuidado de  fornecer um espaço de acolhimento, é  também estar perto o suficiente para saber o momento certo para desafiar a dar o próximo passo.

    Acreditamos que a tecnologia vai nos ajudar muito, mas também acreditamos que seres humanos, precisam ser entendidos e tratados como seres humanos. Muitos dos desafios da área de gestão de pessoas são antigos e passam justamente pelo fato de tratarmos seres humanos como máquinas, acreditando que nas relações humanas 1 + 1 é igual ao resultado matemático. Fazer gestão de pessoas começa na compreensão de  que cada pessoa percebe e reage às coisas de modos diferentes e isso precisa ser considerado para que os melhores resultados sejam alcançados.  A tecnologia vai nos ajudar a realizar a parte operacional do setor e vai exigir dos gestores que eles de fato façam gestão de pessoas, não mais para executar processos, mas para impactar no outro pelas relações e para isso é necessário estar presente.

    Acreditamos que um dos maiores benefício das tecnologias 4.0, passa por elas assumirem tudo o que pode ser automatizado, aquilo que é operacional. Assim, restará aos  gestores de pessoas a responsabilidade de serem humanos lidando com outros seres humanos. Neste sentido, o desafio não será mais treinar para padronizar comportamentos ou ações, mas desenvolver para pensar e  criar, encorajar para inovar, ter resiliência para aprender com o erro, ter flexibilidade para conviver e trabalhar com o diferente, ter segurança para enfrentar o novo e mudar constantemente, conseguir liderar pelo exemplo, mesmo quando não está presente fisicamente e, principalmente, ter empatia e inteligência emocional para acolher todos os sentimentos que esses novos cenários vão gerar.  

    Pessoas criam a realidade do mundo, fazer gestão de pessoas é desenvolver e empoderar as pessoas para criarem uma realidade melhor para si e para os outros zelando por relações interpessoais positivas neste processo. Cada vez mais a gestão de pessoas vai estar nas relações e menos nos processos.  Com o auxílio da tecnologia, os processos serão ferramentas e não a finalidade em si; porque o objetivo principal vai estar nas pessoas.  

 

Texto Lidiane Bertê

Gostaria de conversar com um dos nossos consultores ou especialistas?

Entramos em contato com você, basta deixar uma mensagem ou informar seu telefone!